01/08/2020 às 16:53 Arte, cultura e sociedade

Sua marca votou em quem?

91
4min de leitura

Sempre que eu decido escrever sobre alguma ideia, demoro escolhendo por onde começar. Dessa vez, optei por, literalmente começar pelo começo. Hoje, 23 de março, ainda em quarentena devido à atual pandemia de COVID-19, me deparei com um post no Instagram de uma marca local sobre seu posicionamento político em relação à atuação do governo federal frente à doença que se alastra em nossa nação. Não nego que tive imensa surpresa ao descobrir que algumas pessoas reclamaram no post, dizendo que marca alguma deve se posicionar politicamente. Eis o estopim. Se na rotina normal não admito que falem tal absurdo, imaginem no ócio fértil de uma quarentena. 

O motivo da minha indignação, a você que talvez não tenha estudado marketing, é o beabá da coisa. Estamos na era do Marketing 4.0, segundo definição de Kotler - nosso Papa do Marketing - Kartajaya e Setiawan. Mas como chegamos até aqui? A partir do Marketing1.0, claro. Este era, então, centrado exclusivamente no produto, ainda do período da revolução industrial. Esse era o Marketing, por exemplo, de Henry Ford, que afirmava que “o carro pode ser de qualquer cor, desde que seja preto”. O objetivo mercadológico era levar produtos funcionais pelo menor custo ao maior número de pessoas, e estas tinham somente necessidades físicas que as levavam a comprar os tais produtos. Passam os anos e assim surge a era da informação. Junto dela, vemos o nascimento do Marketing 2.0, que precisa lidar com consumidores bem informados e capazes de comparar as marcas concorrentes, com preferências variadas. Enxerga-se a necessidade de segmentação do mercado e compreende-se que, agora, o valor do produto passa a ser definido pelo cliente, que se beneficia tendo suas necessidades e desejos atendidas, apesar de ainda ser aplicada uma abordagem de comunicação em que os consumidores são passivos.

O Marketing 2.0 não durou muito. Foi condenado pela massificação do acesso à internet, da nova onda de tecnologia que trouxe ao mundo o Marketing 3.0, centrado não mais no consumidor, mas no ser humano, com mente, coração e espírito, e a necessidade de as marcas criarem produtos e serviços com o propósito de refletir valores humanos. Aqui, o consumidor manda. Ele não mais tem a opinião de amigos e familiares na hora da decisão de compra, mas também a de milhares de pessoas que já consumiram daquela marca e publicam suas opiniões na internet. E, se algo der errado, ele também se utiliza dessa ferramenta para ter voz e questionar a empresa, contando ainda com a defesa de outros consumidores online e na linha de frente. A marca deixa de ser somente emissora nesse contato com o consumidor, que passa a ser passivo e também - e muito mais - ativo.

O mundo segue em sua completa globalização, e surgem conceitos e tendências: economia circular, compartilhada, Marketing de conteúdo etc. É o momento das convergências tecnológicas e da hiperconectividade, do big data, dos wearables e da junção do Marketing convencional e do Marketing digital. Existe uma busca, um desejo e uma necessidade crescente por produtos personalizados e serviços cada vez mais pessoais. Chegou a hora de transitar para o Marketing 4.0. E, aqui, uso a definição dos próprios autores, que afirmam: "o Marketing deve se adaptar à natureza mutável dos caminhos do consumidor na economia digital. O papel dos profissionais de Marketing é guiar os clientes por sua jornada desde o estágio de assimilação até se tornarem advogados (defensores ou embaixadores) da marca”.

As marcas têm personalidade. Têm linguagem, cor, cheiro, preceitos, ideias e, sim, tomam partido em questões políticas, sociais e ecológicas. Porque, quando não o fazem, se tornam antiquadas, se transformam em ideias paradas no tempo que, mais cedo ou mais tarde, serão apenas múmias mercadológicas. E isso não foi determinado pelo Kotler, por mim nem por ninguém. Ou melhor, foi, mas enquanto consumidores. Quem detém o poder de compra sempre irá optar pela marca que, no momento decisivo, conseguiu erguer a bandeira com o argumento crucial que é diferente para cada indivíduo.

A Unilever é uma das marcas guarda chuva que mais detém submarcas no mundo, e percebeu, por exemplo, a ascensão da busca por produtos veganos e que não testam em animais. Surgiu a Beauty and Planet, e sua criação permite que a Unilever atenda um segmento específico sem ter o altíssimo custo de mudar o processo produtivo de todas as outras marcas.

Nas últimas eleições no Brasil, o Burguer King deu uma aula sobre o voto em branco através de um comercial de TV.

A cervejaria Rio Carioca veiculou peças que ironizavam apoiadores do Golpe de 64, com o título “se for para comemorar o golpe de 64, por favor, não compre Rio Carioca”. A AMBEV escolheu a Skol para ser a sua marca que se posiciona frente a questões sociais.

Ah, a empresa à qual me referi no início do texto é a T-Shirt in Box.