01/08/2020 às 17:06 Arte, cultura e sociedade

Quando pequenos enganos trazem grandes prejuízos.

82
3min de leitura

No último sábado, 25 de abril de 2020, como muitos souberam, a musa fitness Gabriela Pugliesi fez uma pequena festinha em sua casa, durante o isolamento social necessário para combater a pandemia de COVID-19. Pequena em quantidade de convidados - estes tão imprudentes quanto a própria anfitriã -, porque em nível de insensatez, pode ser considerada enorme. Um detalhe que coloca ainda mais tempero em toda a história, é que a própria Pugliesi teve diagnóstico confirmado para COVID-19 em março.

Enquanto isso, o Time noticia que o Brasil tem se tornado o foco do coronavírus. A NBC News afirma o mesmo. No Reino Unido, a notícia é sobre os casos sobrecarregando hospitais, necrotérios e cemitérios. No Le Monde, a frase "estamos à beira da barbárie" também se refere ao nosso país. Outros jornais na Índia, Austrália e China, citam o mesmo assunto: o crescente número de casos no Brasil e a falta de testes que fazem com que os casos ainda sejam subnotificados. 

Primeiramente, pela perspectiva óbvia das redes sociais, me pergunto o que leva alguém experiente, haja visto se tratar de uma digital influencer, reunir amigas em casa e postar tudo no Instagram. Não que, obviamente, se nada fosse postado, se tornaria menos relevante. O desrespeito à necessidade de isolamento seria o mesmo. Porém, houve uma percepção de que seria apenas divertido e que não haveriam consequências. 

Orgulhosamente, devo dizer que eu e tantos outros que há dias falamos no assunto temos razão. O consumidor está atento, atentíssimo! Acabou a era da alienação em nome de uma marca. Imediatamente, consumidores de todo o Brasil iniciaram uma rede de críticas contra a influencer em seu próprio perfil e nas contas de marcas que a patrocinam. Algumas delas já podemos dizer que patrocinavam. A BAW e a LivUp anunciaram o rompimento do contrato com a influencer, cuja atitude não condiz com o que as marcas vêm defendendo em combate ao COVID-19. 

A Cia. Marítima fez questão de publicar que há mais de 1 ano não possui contrato com a influencer e que a marca foi surpreendida negativamente com a postura de Pugliesi. A Hope, sem citar o nome da influencer, informou que está suspendendo parcerias com quaisquer parceiros que desrespeitem as orientações da OMS. Somamos a isso a perda de 150 mil seguidores no Instagram da influencer, que ironicamente se dedica a compartilhar conteúdo sobre vida saudável (oi?). 

Ainda me surpreendo que aqui e ali hajam comentários em defesa de Pugliesi e considerando injusto que as marcas todas rompam os patrocínios. Me pergunto se, em comentários como esse, estamos diante de um caso de muita inocência, por acharem que o fato de ela ter pedido desculpas (se eu perdesse alguns bons tostões assim, também pediria) anula sua atitude, ou se é apenas mais uma típica linha de raciocínio em que se pensa que marcas não precisam ter compromisso social. 

O fato é que há muito abandonamos o marketing 1.0 e o 2.0. Estamos na sua 4ª geração. Consumidores serão cada vez mais ativos, comunicativos, atentos, críticos e seguirão militando por aquilo em que acreditam. 

Parabéns às marcas que compreenderam o recado, que enxergaram as mudanças e não se calaram. Espero que a Pugliesi e outros que pretendiam seguir o mesmo caminho achando que iria passar batido, comecem a ter essa mesma compreensão. Tudo está sendo acompanhado e compreendido. Ao final o veredito será dado. Um passo em falso pode custar a sua carreira nesse mundo de consumidores atentos.

01 Ago 2020

Quando pequenos enganos trazem grandes prejuízos.

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Quem viu também curtiu

01 de Ago de 2020

Quando falta consciência, a humanidade padece.

11 de Ago de 2020

Brasil e a cruzada pelo empobrecimento da cultura nacional.

01 de Ago de 2020

Sua marca votou em quem?

Oii! Como posso te ajudar?
Logo do Whatsapp